Carta na rua


Nunca tive um cachorro até os 26 anos, quando ganhei uma vira-latinha linda. Linda linda linda.
Apesar dos latidos em horários inconvenientes, lambidas a toda hora e gastar um caminhão de ração, ter a companhia dela é algo maravilhoso. Uma da coisas maravilhosas é passear com ela (mesmo que dê puxões que quase deslocam meu ombro, que defeque a cada quarteirão etc etc); mas esse texto não é sobre a Kika.
Kika

Prazer, eu sou a Kika.

É sobre uma cartinha que achei na rua dia 05/04/2017 quando passeava com a Kika. Eu a reproduzo na íntegra, na esperança que chegue a sua destinatária.
Olá madrinha, estou com saudades por causa da distância fico mais ausente porém guardo-a no meu coração.
Obrigada por tudo, por ser essa ótima madrinha e essa ótima professora. Obrigada pelos ensinamentos, pelas puxadas de orelhas e pelos elogios, isso tudo me fez ser quem sou.
Assim que pedi para ser minha madrinha não pensou duas vezes, sempre acreditou em mim, fazia de tudo para não me ver com nota baixa, sempre quis meu sucesso, me ensinou a não desistir e achar minhas motivações, com sua ajuda me tornei essa garota dedicada.
No futuro irei falar de você para os meus filhos, para eles perceberem que não é apenas uma professora e sim minha inspiração, todo meu sucesso também é dedicado a você te amo.
TE AMO!
A menina escreve bem, pensa no futuro, tem noção que a vida não é fácil e tem senso de gratidão.
Parabéns, madrinha, que continue inspirando coisas boas nessa menina e em outros alunos seus – nossa Nação precisa.
OBRIGADO