Uma conversa no ônibus

Um camarada pobre entra no ônibus, diz que não tem dinheiro para voltar para casa e humildemente pede carona ao cobrador.

Um camarada pobre entra no ônibus, diz que não tem dinheiro para voltar para casa e aos gritos obriga o cobrador a lhe dar carona.

Isso deu-se no mesmo ônibus, na noite de uma terça-feira no Centro do Rio. O primeiro conseguiu sua carona e foi dormindo para casa. O segundo ficou acordado em pé, no ponto esperando outro ônibus naquela noite fria de inverno. A diferença entre eles? Um soube conversar, outro não

O amanhã se construindo hoje requer pedras, cimento, pessoas, tinta e muita conversa.

O amanhã se construindo hoje requer pedras, cimento, pessoas, tinta e muita conversa.

Conversa no ônibus

Hoje em dia a prefeitura capitaneia uma verdadeira transformação urbana na Zona Portuária da cidade do Rio de Janeiro. A Praça Mauá tem as novas vedetes cariocas, o Museu do Amanhã e o Museu de Arte do Rio. Uma nova cidade, cheia de energia, nasce ali.

Mas naquela terça-feira de 2014, os tempos eram outros.

(É algo muito curioso que uma cidade que nasceu do mar, pelo mar e ao mar tratasse a região portuária com tamanho descaso, desprezo).

Naqueles armazéns velhos e decrépitos, havia um ponto de ônibus onde embarcaram aqueles 2 homens.

A semelhança entre eles? Aparentavam estar bêbados.

Teve um 3º homem. E este sentou ao meu lado, e como eu, apenas observou.

Este 3º homem se chamava Leonardo. Se virou para falar comigo na altura do Armazém 11.

Suspirou-se, trocando o ar fresco que vinha da Guanabara com o vapor de cana que tinha nos pulmões.

Falou-me dos 32 anos de vida que tinha, do grande orgulho e amor a sua esposa, recém casados, estagiária de administração. Sem vergonha ou pudor admitiu que “fumava e bebia uns”, mas que jamais fez outrem passar vergonha ou perdeu um dia de trabalho!

E quem o poderia reprimi-lo? Honra e compromisso apareceram mais que 5 vezes em seu discurso, do Cais do Porto até a Vila da Penha.

**–

É tão importante e prazeroso conversar, manter um diálogo. Aprende-se uma infinitude de coisas da Vida e da vida do outro (que invariavelmente um dia poderá e será usado na sua vida) – sabedoria popular nunca é demais.

Não existe maior fonte de sabedoria que uma troca de ideias, especial e principalmente se numa das pontas da conversa estiver uma pessoa idosa.

E adiciono um ponto mais subjetivo e pessoal às conversas: poder apreciar a beleza e sonoridade da Língua Portuguesa. Como é bom escutar esse idioma tão sonoro (sobretudo quando é bem conjugado), que envolve tantos assuntos, dos mais banais e chatos aos mais simples e humanos. Troca de experiências faz bem.

Escutemos mais.

Conversemos mais.

**–

Eu fui para casa pensando nisso. Peguei outro ônibus. Cheguei ao meu destino. Usando Bilhete Único.

**–

Incrível como eu e meu jeito de escrever mudaram deste a conversa no trem. Espero que aquelas mulheres estejam bem.

Anúncios

Discorde aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s