Os sinos de São Pedro

Pessoas do Ocidente que buscam por um novo mundo, sabem do que é necessário mas ignoram o caminho mais confiável para o “novo mundo”. Querem bom caráter, responsabilidade etc mas ignoram os lugares mais prováveis de se encontrar isso.

 Essas mesmas pessoas trazem em si um secularismo perigosíssimo, tomam para si um forte sentimento anti-passado. Deste resulta um forte sentimento antireligião, sentimento contra a história, contra as condições que moldaram nossas nações. Porém essas mesmas pessoas, seres humanos de todos os gêneros, raças e religiões, trazem em si algo que nenhuma propaganda pode apagar ou modificar: a esperança sincera.

Esperança que provoca um respeito sincero quando os sinos dobram, anunciando algo vindouro. Respeito que gera silencio. E silêncio é item raríssimo hoje. E é somente no silêncio que podemos encontrar nosso verdadeiro eu. Os sinos falam diretamente ao interior do homem, por isso atingem o único lugar onde o Capital não tem agência nem escritório.

Os sinos dobram quando há tristeza, quando há alegria, quando há silencio. Isso é o importante: os sinos dobram acima de qualquer sentimento humano passageiro.

Os sinos dobram quando o momento é ordinário, apenas para anunciar as horas, quando começa um serviço litúrgico, quando um rei é coroado, quando o momento é extraordinário. Isso é o importante: os sinos dobram acima de qualquer momento humano passageiro.

Uma cena que guardo foi vivida certa vez na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro: estava eu olhando para os incríveis vitrais que convergem em cima do altar quando entra um homem. Era fácil notar que ele era rico, muito rico, pela postura, pelo excelente corte de seu terno. Talvez trabalhasse ali mesmo, no coração financeiro do Rio. Ele, de forma muito discreta, fez o sinal da cruz e muito acanhado saiu do corredor principal para ficar uns minutinhos olhando para a cruz do altar e ao sair fez uma sutil inclinação com a cabeça. Cena parecida eu vi no Mosteiro de São Bento, no centro de São Paulo. O grande ponto para mim é o porquê as pessoas tem vergonha, medo ou receio de admitir que precisam de momentos em silêncio, de introspecção, de Deus.

Altas torres, paredes firmes, refúgio seguro. E um sino a badalar.

Altas torres, paredes firmes, refúgio seguro. E um sino a badalar.

Alegres fitas nas firmes paredes de pedra de uma igreja no Centro do Rio - e seu sino presente.

Os sinos agem sob essas pessoas como um constrangedor apontamento do silêncio que elas negam. Contraditório a princípio, mas o barulho dos sinos busca levá-las ao silêncio.

O sino, que nasceu para marcar o tempo, perdeu essa função para os impiedosos relógios, que pregam não só o tempo mas nos pregam também. Acredito que os sinos sirvam hoje para marcar um sentimento, para fazer um convite. Sino significa sinal. Sua presença é testemunha da história de determinado lugar, impassível porém cantante e constante.

Eram dados como presentes pelos imperadores, neles eram escritas mensagens, eram abençoados para que pudessem anunciar a res sacrae.

O uso dos sinos é muito mais antigo que religião cristã, budistas já o usavam para quase as mesmas coisas. E hoje, seus campanários sofrem da mesma asfixia a qual os nossos estão submetidos. É triste ver que a agitação cotidiana está sufocando os badalos. Sufocando os badalos de sinos de todas as religiões.

E por fim, retorno ao ponto do post.  Lembrai-vos do tempo, do silêncio, do relacionamento. Lembrai-vos de vós.

**–

E o que São Pedro tem haver?

É em honra a ele que é erguida a maior igreja do mundo, a Basílica de São Pedro no Vaticano. Sempre que os sinos de lá dobram todo mundo para para saber o que houve (saudade dos acentos) – alguém canonizado, algum decreto novo, um papa novo. É o poder mais feio do mundo que entra na piazza di San Pietro: a fofoca.

Afinal, o papa é pop.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Os sinos de São Pedro

  1. Que texto lindo Leandro! Fiquei encantada com a tua escrita e sensibilidade, parabéns! Sobre o passado ter ficado pra trás e não tê-lo pordido resgatar, saiba que tu fizeste a tua parte, e que os sinos dobram sim, por ti. Beijos.

  2. Pingback: Centro do mapa « leandro931

Discorde aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s